23.1.08

Felizes e Infelizes - Reverência à Clarice.


por Tatiana Franco.

Um tratado sobre a felicidade, acredito eu, deve ser algo complexo de se estruturar, por isso prefiro simplificar e torná-lo mais pratico. Então, diria que existem os felizes e os infelizes, e digo mais, ambos sentem prazer em cultivar os sentimentos mais profundos.

Os felizes levam uma vida mais distraída, sem perceberem muito os aclives, declives e chiliques do meio ou do outro ou de si próprio.

Já os infelizes levam uma vida atenta, concentrada, densa em flashs e dizeres que não dizem muito, densa em fatos que não são atos.

E eu, neste meio, prefiro ficar o mais distraída o possível, assim percebo os nãos, os olhares que dizem não ou os fatos que dizem não aos atos.

Prefiro sentir o simplificado inesperado dos atos eles mesmos.

==============================================

Todos os direitos à Autora
.

6 comentários:

B.G disse...

O que me faz pessoalmente aceitar um pouco mais os "nãos" apesar de querer fingir que eles não estão lá foi aquele poema da clarisse em que ela atribúi um significado muito maior e mais profundo ao desejo do que a realização do mesmo, como a sede e a fome sendo mais belas e fortes do que sua saciação.

Tati, obrigado por sua contribuição, mande sempre outros textos, vídeos e o que encontrar de interessante.

valeu!

bjos,

Hugo disse...

Então, corajosa Tati... tratar de felicidade ou de seu óbvio antônimo, que não deveria ser de outro gênero senão o feminino, realmente é um desafio absurdo. O problema é a inevitável distância entre o "ser" e o "estar", amparada, é claro, pela instalabilidade que cada indivíduo carrega em si (graças a Diós, diga-se de passagem). Escolher "ser" pode dar errado quando o verbo "estar" se precipita com sua aptidão para a soberania, daí ser feliz passa a ser uma condição de como você está, de como quer apreciar os fatos que preenchem a nossa vida. Nesse sentido, ser vira alvo e, estar, arco e flexa. Enfim, enquanto somos, estamos, e vice-versa. É isso.

Thiago disse...

Hugo... O que que é isso cara? Traduz pro bão português do Brasil, pq eu não entendi porra nenhuma do que você disse. hahahaha Deus me livre. Amém!

Cícero disse...

De fato, a felicidade é alcançada quando não a procuramos. Não se busca a felicidade, ela simplesmente acontece em reflexo às nossas escolhas. Viver distraído é viver o presente momento no lugar e com as pessoas que queremos estar.

Nossa amizade é a nossa felicidade.

Obrigado a todos vocês. Obrigado à Tati.

Ricardo Vilarinho disse...

A questao é simplesmente que "sonhos vem sonhos vao e o resto é imperfeito" hehehe deixe-se aberto a novas experiencias esteja sempre pronto para que algumas coisas sejam faceis e outras dificeis saiba diferenciar dificuldade de complicacao para nao gerar stress e posteriormente a infelicidade, pois sabendo aceitar e administraros momentos dificeis a vida se torna de momentos felizes...

pois ja dizia

"Tem dias que eu olho no espelho e falo
Tai um cara legal
Tem dias que eu tenho a convicção
De que eu não sou normal
Tem dias que eu to puto
Alguns dias maluco
Graças a Deus a maioria dos dias eu estou contente
Também tem os dias doentes
Mas esses, eu sei, fazem parte da vida
Esses fazem parte da vida
Acho que alguém aqui pirou
Eu ando desconfiado que esse cara sou eu
E se isso for só pretensão
Não, não é possível
Neste mundo só tem "maluco"
Ou serão só lúcidos?"

BG Traveler disse...

Ricardo seu post me lembrou do famoso credo da sabedoria que reza mais ou menos o seguinte: " Senhor! dê-me força para mudar as coisas que posso mudar, resignação para aceitar as que não posso e sabedoria para distinguir entre elas..."

Muito bom!

abraços.